Google Translate

Google Connect

As Mais Acessadas

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Fátima Abreu: O Sonho da Sacerdotisa!



CONTO EM PROSA POÉTICA
                    ÉPICO

Caminhava sobre a relva macia e molhada, pelo orvalho da madrugada...
A sacerdotisa com seu cavalo branco, e parecia até, que ele a escoltava...
Seu povo vivia em intensa orgia, mas não era isso que ela preferia...
Queria um amor único, e não apenas o sexo grupal, das festas de seu pequeno vilarejo,
onde os bacanais eram constantes...
A bela sacerdotisa, possuía muitos amantes...

Sonhava com um amor imaginário, se tocava e até gozava...
Em muitos momentos, ela pegava seus dedos, e chupava-os depois do gozo... Gostava de sentir seu próprio sabor e odor...
Mas, numa dessas andanças pelos arredores de seu vilarejo, deitou-se embaixo de uma árvore frondosa, e tirou um sono profundo...
Sonhou então, e nesse sonho, viajou a um mundo pelo qual se encantou...

Viu ali, um lindo escudeiro passar, e seu coração desejoso de paixão e amor, acelerou... Era ele! O homem que ela gostaria, de ter em sua cama todos os dias, e lhe fazer companhia...
Correu os olhos para ver se alguém a espreitava... Não, ninguém por ali estava!

Foi até o escudeiro, de olhos amendoados, se despiu de toda vergonha, e se pôs nua, à sua frente... Ele, sem entender aquilo, disse a sacerdotisa:
_ Mas o que é isso, linda moça? Cubra-se, antes que alguém apareça, e lhe tome como meretriz, ou pior, louca infeliz...
E a sacerdotisa respondeu:
_ Senhor escudeiro, não me tome a mal... Apenas demonstro meu desejo, e quero que meu corpo seja seu, me tome como a um presente! Afinal, sou uma sacerdotisa do prazer e do amor, colha da minha flor...

Sendo assim, ela não deixou que ele respondesse, e agarrou-se ao pescoço dele, beijando sem parar a boca do escudeiro, e encostando a vulva em sua coxa, roçava, provocando...
E diante disso, o membro dele já teso, quase explodia, dentro das calças de estrebaria...

Livrou-se das vestes então, e levou-a para a relva macia, forrando com a roupa da moça, o local, para ali se amarem deitados...
Rolavam em movimentos frenéticos, entre beijos e carícias... Ela puxava os cabelos dele, e levava sua cabeça aos seios de mamilos duros de desejo... Ele assim lambia, mordia, e beijava, a moça se deliciava...

Pegou a moça, abriu suas pernas, e a penetrou com certa selvageria, comum naqueles dias, época de barbárie... Talvez agisse assim com as meretrizes com quem se envolvia... Mas ela leu seus pensamentos, percebeu seu desejo animal, e não deixou nada a faltar, para qualquer prostituta que viesse com ele copular...

Ela era a sacerdotisa do prazer, seus meandros de sedução, não deixavam dúvidas: Fazia qualquer homem ir aos céus, em orgasmos profundos, era uma verdadeira e fiel conhecedora das artes de Vênus, a deusa do amor... E todos os homens que ela seduzia, queriam provar de seu sabor...

E quando ele gozou em espasmos e urros desenfreados, ela retirou rápido de sua vulva o pênis melado, e sugou-o avidamente, como se aquele fosse o último dos homens, à sua frente!
Lambeu até a última gota daquele sêmen precioso, vindo do prazer que o provocara: o gozo...

Nesse momento, ela despertou.
Seu cavalo branco, a lambia... Parecia adivinhar o sonho de sua dona, e a umidade que dela escorria!

NOTA: Essa prosa poética, é continuação de:
" A SACERDOTISA E O CAVALO BRANCO "

Fátima Abreu
Publicado no Recanto das Letras Código do texto: T1969572


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite Fátima Abreu, Maricá, Rio de Janeiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Blog com imagens e figuras de linguagem XXX ADULTO

Ocorreu um erro neste gadget